Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Categories

Edit Template

Padrasto que confessou estupro e morte de enteada será julgado em João Pessoa nesta terça-feira

Tribunal de Justiça da Paraíba (Foto: Reprodução).

Francisco Lopes de Albuquerque, réu confesso do estupro e morte de sua enteada, será levado a Júri Popular nesta terça-feira (18). O julgamento está previsto para começar às 9h, no Fórum Criminal de João Pessoa. O réu, também conhecido como ‘Saboia’, foi pronunciado por estuprar, matar e ocultar o cadáver da própria enteada. Como verificou o VozPB.com.br/” target=”_blank” rel=”noopener”>VozPB, o Júri será presidido pela juíza Aylzia Fabiana Borges Carrilho.

Além do crime de homicídio, o réu responde pelas qualificadoras do artigo 121, parágrafo 2º, incisos I (motivo torpe), III (com emprego de asfixia), IV (mediante recurso que impossibilitou a defesa da ofendida), V (para assegurar a impunidade de outro crime) e VI (contra mulher, por razões do sexo feminino); artigo 211 (ocultação de cadáver) e 217-A (estupro de vulnerável), todos do Código Penal.

Os crimes aconteceram no dia 7 de abril de 2022, por volta das 3h30, na residência localizada no Bairro de Gramame, João Pessoa. “O réu estuprou e, imbuído por motivação torpe, com emprego de asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da ofendida. Para assegurar a impunidade de outro crime e contra a mulher por razões da condição do sexo feminino, ceifou a vida da sua enteada, ocultando o seu cadáver em seguida”, diz parte da denúncia apresentada pelo Ministério Público.

No dia dos crimes, conforme o processo, a vítima estava dormindo em seu quarto, no imóvel em que reside com sua mãe e padrasto, quando ‘Saboia’ entrou e “estuprou e, em seguida, a asfixiou com as próprias mãos”. Após a prática dos delitos, Francisco removeu o corpo, colocou-o em seu automóvel e se dirigiu até um local ermo, próximo à sua residência, onde ocultou o cadáver em um poço com mais de dez metros de profundidade, retornando, em seguida, à sua casa para dormir tranquilamente.

A acusação afirma que, na esfera policial, Francisco apresentou, inicialmente, versão do fato que foi rebatida pelos demais elementos trazidos ao processo, inclusive pela análise de câmeras de segurança. “Destaque-se que o acusado, para não levantar suspeitas, participou das buscas pela vítima e compareceu espontaneamente à delegacia várias vezes. No entanto, ao ser confrontado acerca das divergências em sua narrativa, o réu finalmente confessou os delitos.

Leia Mais

VozPB.com.br/meio-ambiente/fogueiras-proibidas-sudema.html” target=”_blank” rel=”noopener”>“Fogueiras ainda são proibidas”, confirma Marcelo Cavalcanti, superintendente da Sudema

Compartilhe:

vozpb.online

Redator

A Paríba tem voz

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VozPB

Redator

A Paraíba tem Voz

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Join the family!

Sign up for a Newsletter.

You have been successfully Subscribed! Ops! Something went wrong, please try again.
Edit Template

© 2024 Todos os direitos reservados