Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Categories

Edit Template

Deputados votam regulamentação da Reforma Tributária com mais de 500 emendas nesta quarta

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Arquivo

Alvo de intensas negociações nos últimos dias, o primeiro projeto sobre a regulamentação da reforma tributária começará a ser votado nesta quarta-feira (10) pela Câmara dos Deputados, em sessão prevista para às 10h.

A proposta, que trata das regras dos novos impostos criados pela reforma, já recebeu mais de 500 emendas dos congressistas. Até a noite de terça-feira (9), o total de sugestões de mudanças era 523.

O texto foi analisado por um grupo de trabalho que apresentou o seu parecer na semana passada sugerindo alterações no texto original enviado pelo governo em abril.

A votação da proposta é a maior prioridade do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), antes do recesso parlamentar, que começa em 18 de julho. Nesta semana, por orientação de Lira, as reuniões deliberativas das comissões da Casa foram canceladas para garantir o foco na análise da regulamentação.

O governo também tem pressa para aprovar o texto, que ainda precisará ser analisado pelo Senado no segundo semestre. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, participou na terça-feira (9) de reunião com deputados e Lira para os ajustes finais.

Segundo ele, uma das alternativas analisadas nesta reta final das negociações é o aumento do “cashback” para a população mais pobre como alternativa para a inclusão de proteína animal na cesta básica nacional.

O relatório do grupo de trabalho deixou de fora as carnes dos itens da cesta básica com isenção. A bancada ruralista, a maior do Congresso, pressiona pela inclusão. O tema, segundo Haddad, é um dos principais impasses para a votação do parecer.

Para garantir a análise rápida da proposta, na terça, os deputados aprovaram o pedido de urgência do projeto, que já tramita também com urgência constitucional determinada pelo Executivo.

Negociações
Bancadas temáticas e partidárias articulam ajustes no texto desde a semana passada. Deputados do grupo de trabalho e técnicos da equipe econômica, entretanto, resistem a mudanças que possam impactar a alíquota padrão dos novos impostos, estimada em 26,5% pelo governo.

A alíquota geral é a soma do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), de competência de estados e municípios, com a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), que é federal, resultando no Imposto sobre Valor Agregado (IVA). O IVA terá implementação gradual e substituirá cinco imposto cobrados atualmente (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS).

De acordo com cálculos da equipe econômica, a desoneração das carnes com a inclusão na cesta básica, por exemplo, teria impacto de 0,53 ponto percentual a mais na alíquota padrão do IVA.

Outro tema que deve ser debatido no plenário é a taxação de armas de fogo com o Imposto Seletivo, também chamado de imposto do pecado. A cobrança é defendida por deputados petistas. A Frente Parlamentar da Segurança Pública articula para que a medida não seja inserida no texto.

Conforme defendido pelos deputados do grupo de trabalho, a expectativa é que os temas com mais divergências e considerados polêmicos sejam resolvidos durante a discussão no plenário. Esse modelo também adotado no ano passado na análise da PEC da reforma.

Segundo projeto
Além da proposta sobre os novos impostos, deputados também esperam a votação do segundo projeto de regulamentação antes do recesso parlamentar.

O projeto, que foi analisado por outro grupo de trabalho, trata do Comitê Gestor que administrará a distribuição das receitas do IBS entre estados, Distrito Federal e municípios.

O relatório do grupo sobre essa proposta foi apresentado na segunda-feira (8). O texto trouxe inovações como a reserva de vagas para mulheres na Diretoria Executiva do Comitê Gestor; a inclusão de representantes dos contribuintes na última instância de julgamentos; e a cobrança sobre herança em previdência privada.

CNN

Compartilhe:

vozpb.online

Redator

A Paríba tem voz

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VozPB

Redator

A Paraíba tem Voz

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Join the family!

Sign up for a Newsletter.

You have been successfully Subscribed! Ops! Something went wrong, please try again.
Edit Template

© 2024 Todos os direitos reservados