Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Categories

Edit Template

Biden dá permissão à Ucrânia para realizar ataques na Rússia com armas dos EUA

O presidente dos EUA, Joe Biden, deu permissão à Ucrânia para atacar dentro do território russo com munições americanas. O uso foi restringido para que Kiev só possa atingir alvos na fronteira perto de Kharkiv, depois que a Rússia fez avanços significativos ao redor da cidade, na parte nordeste do país, perto da fronteira russa, segundo disseram duas autoridades dos EUA à CNN.

“O presidente recentemente instruiu sua equipe a garantir que a Ucrânia seja capaz de usar as armas fornecidas pelos EUA para fins de contra-fogo em Kharkiv, para que a Ucrânia possa revidar as forças russas que os atacam ou se preparam para atacá-los”, disse uma das autoridades.

O afrouxamento das restrições marca uma ruptura com uma política de longa data e surge num contexto de crescente pressão internacional por parte de aliados próximos dos EUA.

Mas está limitado à área ao redor de Kharkiv, e a Ucrânia não solicitou permissão para além disso, disse o funcionário, acrescentando que não prevêem que os EUA alarguem a área permitida.

Kiev fez o pedido a Washington para mudar a sua política apenas nas últimas semanas, à medida que as forças russas avançavam, disse o responsável. As forças russas, os depósitos de munições e os centros logísticos podem agora ser alvo de artilharia e foguetes fornecidos pelos EUA através da fronteira de Kharkiv, no oeste da Rússia.

A administração também se mantém firme ao não permitir que a Ucrânia utilize a munição mais formidável que lhe foi dada para disparar contra a Rússia: os mísseis de longo alcance conhecidos como ATACMS, que podem atingir alvos a 300 quilômetros de distância.

A Ucrânia foi autorizada a usar armas antiaéreas dos EUA para derrubar a ameaça iminente de aeronaves russas voando no espaço aéreo ucraniano e russo e o fez com sucesso, enfatizou o primeiro funcionário. Mas a proibição impediu a Ucrânia de atacar aeronaves russas que estão em terra dentro da Rússia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, sinalizou publicamente a vontade de mudar a táctica da administração esta semana, quando observou que os EUA poderiam “adaptar-se e ajustar” a sua posição.

Uma marca registrada do apoio dos EUA à Ucrânia “tem sido a adaptação à medida que as condições mudam, os campos de batalha mudam, à medida que o que a Rússia faz muda em termos de como ela prossegue a sua escalada de agressão, nós também nos adaptamos e ajustamos”, disse Blinken, em visita à Moldávia.

“Estou confiante de que continuaremos a fazer isso.”

No dia anterior, os principais líderes europeus sinalizaram que tinham mudado de posição.

Falando numa conferência de imprensa ao lado do chanceler alemão Olaf Scholz na terça-feira, o presidente francês Emmanuel Macron destacou que as armas francesas enviadas para a Ucrânia, incluindo mísseis de longo alcance, foram autorizadas a atingir bases dentro da Rússia.

“O solo ucraniano está sendo atacado a partir de bases na Rússia”, disse Macron durante uma visita ao Schloss Meseberg em Brandemburgo, Alemanha.

Soldados ucranianos preparam balas para uma metralhadora enquanto outros descansam, durante o treinamento em local indeterminado no Oblast de Donetsk, Ucrânia, em 18 de maio de 2024 / Diego Herrera Carcedo/Anadolu via Getty Images

“Então, como explicaremos aos ucranianos que teremos que proteger essas cidades e basicamente tudo o que estamos vendo ao redor de Kharkiv neste momento, se lhes dissermos que não têm permissão para atingir o ponto de onde os mísseis são lançados?.”

“Pensamos que deveríamos permitir-lhes neutralizar os locais militares a partir dos quais os mísseis são disparados e, basicamente, os locais militares a partir dos quais a Ucrânia é atacada”, continuou Macron.

Scholz, da Alemanha, repetiu os comentários de Macron e disse que a Ucrânia estava autorizada a defender-se, desde que respeitasse as condições dadas pelos países que forneceram as armas – incluindo os Estados Unidos – e o direito internacional.

Os limites iniciais que impediam a Ucrânia de disparar contra o território russo com armamento dos EUA estavam enraizados nas preocupações da administração Biden com a escalada da guerra.

Embora essas preocupações persistam, os EUA mudaram de posição depois de o governo ucraniano ter citado explicitamente a necessidade de defender Kharkiv, os aliados europeus começaram a mudar de rumo e a liderança da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) instou discretamente os EUA a permitir tais ataques.

Blinken visitou a Ucrânia no início deste mês e ouviu em primeira mão o pedido ucraniano para perseguir alvos dentro da fronteira russa. Nessa viagem, Blinken reiterou que os EUA garantiriam que colocaria a Ucrânia numa “posição onde pudesse dissuadir e defender-se contra futuros ataques”.

“Os EUA estão sentindo o peso do argumento”, disse um diplomata europeu no início desta semana, esperando que uma mudança na política dos EUA possa estar a caminho.

Na verdade, as rodas já estavam em movimento para Biden alterar a política dos EUA quando Blinken regressou a Washington há duas semanas.

De acordo com autoridades dos EUA, o secretário de Estado assinou uma recomendação feita a Biden pelo conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan, pelo secretário de Defesa Lloyd Austin e pelo presidente do Estado-Maior Conjunto CQ Brown nos dias seguintes à Rússia ter lançado a sua ofensiva contra 10 de maio.

Numa videoconferência segura em 13 de maio, o trio ouviu apelos dos seus homólogos ucranianos e determinou que fazia sentido levantar as restrições dos EUA para que as forças ucranianas pudessem atingir as áreas de preparação a partir das quais a Rússia lançava os seus ataques a Kharkiv.

O chefe do Comando Europeu dos EUA, general Christopher Cavoli, foi incluído na conversa para ajudar a finalizar os detalhes.

Mas demoraria até quinta-feira para que a decisão dos EUA passasse pelo sistema e entrasse em vigor.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, também instou discretamente os EUA e outras nações a darem à Ucrânia as capacidades necessárias para perseguir alvos dentro da Rússia, disseram fontes.

Os repetidos esforços de Stoltenberg à porta fechada não resultaram imediatamente numa mudança de política nos EUA. Mas esta semana fez questão de falar publicamente sobre o benefício – e talvez a necessidade – de permitir à Ucrânia defender-se sem limites.

“Negar à Ucrânia a possibilidade de usar estas armas contra alvos militares legítimos em território russo torna muito difícil para eles se defenderem”, disse Stoltenberg na semana passada.

Compartilhe:

vozpb.online

Redator

A Paríba tem voz

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VozPB

Redator

A Paraíba tem Voz

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Join the family!

Sign up for a Newsletter.

You have been successfully Subscribed! Ops! Something went wrong, please try again.
Edit Template

© 2024 Todos os direitos reservados